cmrmc

cmrmc

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Oquestra Petrobras Sinfônica



Grupo de Câmara da OPS
Dia 8/11 - Quinta-feira - 19h30
Gratuito

Formação: Quinteto de sopros

Música Francesa e Brasileira para Quinteto de Sopros

Jacques Ibert
Trois Pièces Breves
Radamés Gnattali
Valsa, Modinha e Choro
Eugène Bozza
Scherzo
Benny Wolkoff
Choro
Julio Medaglia
Suite "a Belle-Époque na América do Sul"

Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro



Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro
Dia 10/11 - Sábado - 11H
Gratuito


A OBRJ fará uma apresentação no jardim do Centro Municipal de Referência da Música Carioca, como encerramento das atividades do segundo semestre. No repertório músicas que fazem parte do CD lançado no final de 2010, além de outros arranjos que já fazem parte do repertório da orquestra. O CD Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro – Volume 1, traz composições exclusivas de Dona Ivone Lara, Gilson Peranzzetta, João Lira e Leandro Braga, entre outros, que também assina a produção musical. Contou ainda com a participação especial de Chico César interpretando a canção “Sempre” de Rubens Kurin.

Repertório a ser apresentado:

- Jurando Falso – Pixinguinha
- Chiclete com Banana – Gordurinha e Almira Castilho
- É Hoje – Didi e Mestrinho
- Samba da Benção – Vinícius de Moraes e Baden Powell
- Rio que Bate – Leandro Braga
- Aquele Abraço – Gilberto Gil
- Turma da Paz – Gilson Peranzzetta
- Destino – Dona Ivone Lara e Bruno Castro
- Sempre – Rubens Kurin

A Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro faz parte do “Projeto TIM Música nas Escolas” e
foi formada em meados de 2007 sendo constituída por 60 jovens músicos que foram selecionados nas escolas públicas municipais Soares Pereira, Gonçalves Dias e José Piquet Carneiro, ao longo das atividades do projeto. Os participantes da Orquestra recebem semanalmente aulas de teoria, de instrumentos específicos e prática de orquestra.

O TIM Música nas Escolas possibilita a crianças e adolescentes de escolas públicas, por
meio da linguagem universal da música, novas formas de aprendizagem que contribuem para a melhoria do desempenho escolar e estimulam o desenvolvimento de uma cultura de paz (conceito sustentado pela Unesco). O projeto já envolveu até o momento mais de 20 mil estudantes em 13 cidades brasileiras.
No Rio de Janeiro, o TIM Música nas Escolas acontece desde o início de 2005.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Orquestra Petrobras Sinfônica


Grupo de Câmara da OPS 
Dia 1/12 - Quinta-feira - 19h30
Gratuito

Formação: Contrabaixo, flauta, oboé, clarineta, percussão e piano.

A formação dos choros de Villani-Côrtes: Sonia Zanon, contrabaixo; Itamar Assiere, piano; Marcos Passos, clarineta e Sax; Victor Astorga, oboé e corne inglês; Luis Cuevas, flauta; Daniel Serale, vibrafone e percussão.


Programa:

Edmundo Villani-Côrtes
Opus 2004
A Catedral da Sé
Choro Urbano
Frevo Paulista
Valsa
Poema Brasileiro
O Orelha
Choro Patético
Frevo Fugato
Jongata
Pretensioso
Choro do João
O Gabriel Chegou

“Estas peças que iremos tocar representam uma pequena fatia da importante obra do compositor mineiro Edmundo Villani-Côrtes (1930), paulistano de coração, que dificilmente são apresentadas em salas de concertos do Rio de Janeiro. Comecei a identificar-me com a música de Villani ainda no Curso de Bacharelado em Contrabaixo e, quando fiz o Mestrado, tive a felicidade de conhecê-lo pessoalmente e conviver com este ser humano iluminado que faz música simplesmente por amor. Sua humildade gratuita e total desapego às vaidades pessoais são refletidos em uma obra com elevado grau de competência e inspiração, escrita para todos os gêneros musicais, que navega com facilidade do erudito ao popular da forma mais tradicional às idéias mais avançadas. Como exemplo, hoje executaremos ‘Opus 2004’, que relembra a noite paulistana e a boemia do Jazz, e ‘A Catedral da Sé ’, ‘Choro Urbano’ e ‘Frevo Paulista’ nas quais Villani homenageia lugares significativos no imaginário coletivo e a efervescência urbana. Os diversos gêneros da música brasileira caracterizados pela fluência rítmica, harmonização e simplicidade melódica ficarão expostos na ‘Valsa’, ‘Poema Brasileiro’, ‘O Orelha’, ‘Choro Patético’, ‘Frevo Fugato’ e ‘Jongata’, bem como a variedade de timbres e as combinações sonoras de ‘Pretensioso’. O amor de Villani também é aqui apresentado em ‘Choro do João’ e ‘O Gabriel Chegou’, compostos para seus netos.” Sonia Zanon

terça-feira, 8 de novembro de 2011

ORQUESTRA PETROBRAS SINFÔNICA


DUAS FLAUTAS E VIOLONCELO
 Dia 24/11 - Quinta-feira - 19h30 



Passeio histórico pelo barroco, clássico até a música brasileira em uma formação inusitada: duas flautas e violoncelo. 

Nora Fortunado, violoncelo
Clarissa Bonfim e Luis Cuevas, flautas



segunda-feira, 22 de agosto de 2011

WORKSHOP "EDUCAÇÃO MUSICAL" COM OBRJ



Workshop "Educação Musical" com a Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro
Dia 24/11 - Quinta-feira 10h às 11h30 e 14h30 às 16h  
Gratuito

Em 2011, a OBRJ em parceria com o CMRMC realizará mensalmente workshops de educação musical aberto ao público, mas, direcionado a alunos da rede públicas do entorno com idades entre 7 e 10 anos. Este é uma forma dos integrantes da orquestra exercitarem o aprendizado além de passar adiante estes conhecimentos adquiridos no Projeto. As formações serão diversificadas a cada edição, onde, além de apresentar um pouco sobre cada instrumento, executarão um repertório preparado especialmente para os workshops.
Esta atividade será realizada às quintas feiras na quarta semana de cada mês, em dois horários, manhã (10h às 11:30) e tarde (14:30 às 16h) exceto dezembro.

Show com Solange Pellegrini


Solange Pellegrini
Dias 26 e 27/8 - sexta-feira às 19h30 e sábado às 19h

Atualmente apresenta seu trabalho de releituras de samba e bossa. , em companhia de dois dos mais renomados músicos da musica brasileira: Perinho Santana (guitarrista que acompanhou Caetano Veloso, Gilberto Gil , A Cor do Som e outros artistas de renome da musica brasileira ) e Gustavo Schroeter (baterista da A Cor do Som, Marcos Valle ,Gal Costa, Jorge Benjor, Morais Moreira, Zé Ramalho, dentre outros. ).
Dona de voz melodiosa e afinada, Solange vem abrindo caminho na cena musical carioca, encantando as privilegiadas platéias que tiveram a oportunidade de assistir a suas apresentações – que revelam talento, sensibilidade e estilo próprio – e conquistando o público das casas aonde vem apresentando sucessos de Tom Jobim , Vinicius de Moraes , Billy Blanco , Marcos Valle , Baden Powell , Dorival Caymmi , Gonzaguinha e outros.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Show com Masé Sant' Anna



Masé Sant'Anna
Dia 18/08 - Quinta-feira - 19h30

Show “Essas mulheres brasileiras – O tom feminino na Canção” com MASÉ SANT' ANNA
Projeto idealizado pela cantora Masé Sant’Anna, o espetáculo é uma homenagem às compositoras Brasileiras e tem como alinhavo fragmentos de textos de algumas de nossas poetisas. Foi árduo descobrir e mais ainda colocar todas as compositoras no espetáculo, pois de onde mais se tirava mais se constatava que havia. Uma caixa de surpresas.
Num universo que vai de Gonzaga (Chiquinha) a Gadú (Maria) foram escolhidas as compositoras que mais produziram ao longo do início do século XX até os dias atuais.
Porém, todas serão citadas, de alguma forma; em “Sonho Meu”, da matriarca D. Ivone Lara, serão lembradas Leci Brandão, Ana Costa, Tereza Cristina e outras sambistas que certamente beberam desta valiosa fonte; Mart’nália/ Zélia Duncan (“Benditas”), Marisa Monte (“Palavras ao vento”) e Adriana Calcanhoto (“Esquadros”) foram as escolhidas para representar o vasto time de compositoras que surgiram na década de 80. As veteranas Maysa e Dolores Duran serão merecidamente homenageadas em novas leituras. A não tão veterana, nem tão moderna Joanna também está dentre as escolhidas, representando o importante rol de compositoras românticas do nosso cancioneiro. A irreverente Rita Lee não será tão obviamente lembrada por essa característica, seu humor picante, mas pela irreverência romântica na deliciosa “Shangrilá”. A belíssima “Mel poejo”, de Fátima Regina e Nei Lopes é bandeira das compositoras que são desconhecidas do grande público, mas que têm em suas gavetas obras muito valiosas, que merecem ser apresentadas. Nossa rica Lia de Itamaracá terá seu momento de dar a graça do ar representando as mulheres que fazem uma música mais regional e aquelas que partiram em busca de reconhecimento fora do Brasil, por nunca terem deixado de amar e exibir esta pátria – nem sempre justa com seus mais caros artistas –, terão como representante a fabulosa Tânia Maria.
Muitas dessas mulheres têm homens como parceiros, o que prova que o espetáculo está longe de ser uma proposta feminista e o público masculino é extremamente bem-vindo. E, querendo ou não, a nação de machos, feministas, femininas, femininos e masculinas está nas mãos de unhas pintadas de uma forte mulher.
A Direção Musical de Cesar Machado conta com um time de músicos de primeira linha:
Adriano Giffoni – Baixo; Cesar Machado – Bateria; Misael da Hora – Piano e Tuca Alves –
Guitarra e Violão
Direção Geral de Fátima Regina e Antonio Carlosouza.



Show com Gabi Buarque


Gabi Buarque
Dias 19 e 20/08 - sexta-feira às 19h30; e sábado às 19h

Vencedora do Troféu Elizeth Cardoso de Melhor Intérprete no II Festival das Rádios Públicas do Brasil, Gabi Buarque se prepara para o lançamento de seu primeiro cd, produzido em parceria com Miguel Martins (violão e arranjos) aonde apresentará canções de sua autoria e de alguns parceiros.
O show autoral de pré-lançamento do cd “Gabi Buarque-Deixo-me acontecer” no Cinemathèque, teve divulgação na coluna de Joaquim Ferreira dos Santos, do jornal O Globo e no site O Globo Online, além de participação no Programa Atitude.Com na TV Brasil.
A cantora, compositora e instrumentista tem formação técnica na Escola de Música Villa-Lobos e especialização em Canto de Samba-Choro, Violão e Cavaco pela Escola Portátil de Música (choro). Apresentou-se em locais como Teatro Nelson Rodrigues, Vinicius Bar, Hotel Sofitel Copacabana, Espaço Rio Carioca, e nas rádios Roquette Pinto (94.1 FM), MEC (800 AM), Nacional (1130 AM) e Manchete (760 AM).
Gabi produziu e cantou no recital “Timoneiro” de Herminio Bello de Carvalho, no Centro de Referência da Música Carioca, em 2008 e 2009.
Em 2010, participou do musical "Onomatopeia Não é Palavrão" no CCBB, com participações de Marcos Sacramento, Pedro Miranda, Amelia Rabello, Pedro Amorim e outros. O espetáculo é baseado no livro Onomatopeias Musicais, do qual é pesquisadora e co-autora, lançado na Sala Baden Powell em 2007, com direção do saudoso Vicente Maiolino.
Além de seu trabalho autoral, Gabi também integra o grupo Mulheres de Chico com apresentações no Bar do Tom, Teatro Odisséia, Centro Cultural Sérgio Porto, Cultural Bar - MG e na Praia do Leblon (desfile de carnaval para 12 mil pessoas).
Gravação de coro nos CDs: Cidade das Noites - Anabela, SP (2008) ao lado de Cristina Buarque, Marcelo Menezes e Gabriel Cavalcante, Sacradança - Thiago Amud (2008), Frevo Diabo (2007), Arribação - Lili Araujo (2007) ao lado de Mariana Bernardes, Bossa Trio (2006) e Baú do Samba - É com esse que eu vou (2005).

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Show com Jeff Chagas


 Jeff Chagas
Dia 11/8 - quinta-feira - 19h30
A música aconteceu nas quadras dos blocos e escolas de samba, quando o mestre de bateria deixava as crianças tocarem o repique, o surdo, a caixa e o tamborim. Jeff Chagas cresceu com samba e depois partiu para explorar outras possibilidades como compositor e intérprete.
A maneira intuitiva de compor e tocar revela uma obra de saborosa versatilidade rítmica, onde se fazem presentes a salsa, o jazz, o reggae, o maracatu, o soul, o pop, além do samba, é claro. As linhas melódicas são construídas a partir de um lirismo poético a serviço de temas como a natureza, a cidade, o universo infantil e a crítica social.
Em 2002, gravou o disco “Matutando”, junto com sua banda “O Balaio”. Esse primeiro trabalho independente trouxe canções inéditas suas e de outros compositores, e teve divulgação em todo o Brasil e na Europa, rendendo apresentações no Rio, em São Paulo, Minas Gerais e Paraná.
Com o fim do Balaio, em 2004, Jeff optou pela carreira solo. Foi para Cuba e lá se encantou com a musicalidade da ilha, passando a se aproximar cada vez mais dos ritmos afrocaribenhos. Em pouco tempo, o resultado estava nos palcos. Jeff incluiu em seu repertório o merengue, o mambo, o cha cha cha, o bolero e a salsa, num passeio pela magia e riqueza do universo latino-americano.
Neste período, percorreu várias casas do renovado complexo cultural da Lapa cantando samba e música caribenha, e estreitando contatos com a nova geração de músicos do bairro boêmio carioca, muitos dos quais o acompanharam em diversos shows e nas gravações de seu segundo disco “EU RIO”, que o compositor agora apresenta ao público.
No palco, além de mostrar o repertório do novo álbum, Jeff comanda um baile show com o melhor do samba-jazz e da música latina, com canções de João Donato, Jorge Benjor, Wilson Moreira, Marcelo Camelo, Santana, Pink Martini, Chico Buarque e muito mais.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Show com Dayse do banjo

  Dayse do banjo
Dia 4/8 - Quinta-feira - 19h30


Instrumentista, cantora e compositora, nascida e criada em Padre Miguel, filha de músico erudito, aprendeu vários instrumentos de percussão, além do banjo, cavaquinho e violão. Artista de longa história musical no Rio, há 18 anos com sólida carreira em São Paulo.
DAYSE DO BANJO participou do movimento de samba no Cacique de
Ramos e iniciou sua carreira profissional nos anos 80 acompanhando como cavaquinista Dominguinhos do Estácio, Neguinho da Beija-Flor, Jorginho do Império, também participando do projeto Seis e Meia no teatro João Caetano, acompanhando Dona Ivone Lara e Jovelina Pérola Negra.
O nome Dayse do Banjo surgiu pelo interesse do público que perguntava: "você conhece a Dayse? Qual Dayse? A do Banjo" diziam todos, dando assim origem ao seu nome artístico.
Sob direção de Haroldo Costa, trabalhou no Hotel Intercontinental durante 8 anos em São Conrado-RJ. e, em eventos musicais no Brasil e no exterior, representando o samba e a cultura popular brasileira nos EUA e na Colômbia.
Em 1990 fez a harmonia do cavaco acompanhando na Passarela do Samba o mestre Jamelão e a Mangueira. Sacudindo a Sapucaí despediu-se do Rio de Janeiro. E que despedida! Teve seu desempenho reconhecido e elogiado pela imprensa que “cobria” o carnaval nesta avenida.
No ano seguinte a Gaviões da Fiel conquistava o título de campeã do carnaval paulista. Com seu cavaquinho, DAYSE deu aquele ritmo ao samba escolhido para representar a escola. Em seu portal na internet, a agremiação registrava que DAYSE era a primeira mulher a tocar cavaquinho nos desfiles oficiais no Sambódromo na terra da garoa. (Aliás, a artista foi a primeira mulher a tocar cavaquinho em desfiles oficiais do Rio e de São Paulo). Até o ano 2000, DAYSE foi cavaquinista de Almir Guineto, de quem se tornou parceira.
Em São Paulo, se apresenta semanalmente no espaço cultural "Traço de União-Casa de Brasilidades", com repertório que passeia pelo samba, choro e MPB adaptados ao seu estilo vigoroso de conduzir suas interpretações. Como instrumentista, acompanha expoentes do samba como Moacyr Luz, Adilson Bispo, Noca da Portela, tia Surica, Arlindo Cruz, Sombrinha, entre outros, mostrando sua versatilidade e preparo musical.
DAYSE prepara seu primeiro CD solo onde interpretará suas composições e outras de autores já consagrados no vasto movimento do samba brasileiro.

Show com Sidney Mattos


  Sidney Mattos
Dias 05 e 06/08, sexta-feira às 19h30 e sábado às 19h

O músico, compositor e multi-instrumentista Sidney Mattos apresenta seu show instrumental INTERFACES, dia 05 de Agosto, às 19h, no Centro Municipal de Referência da Música Carioca. Esse mesmo show foi gravado ao vivo, ano passado, num show memorável no próprio CMRMC.
No repertório temas instrumentais recolhidos dos seus cinco CDs instrumentais já gravados. Músicas próprias e ainda uma pequena homenagem à bossa nova.
O show contará com a banda: Sidney Mattos – teclado e voz, Carlito Gepe – baixo e Sérgio Jaburu – bateria e Guilherme Brício – sax e flauta.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Show "Serestas e Canções" com Eduardo Canto

Eduardo Canto 
Dia 28/7 - Quinta-feira - 19h30
No passado, os apaixonados detinham-se às janelas de suas pretendidas, para tocar e cantar madrugada a dentro, iluminados pela luz da lua, constituindo um costume boêmio que logo passou a denominar-se seresta ou serenata.
O estilo musical das serenatas sempre ficou a critério ou ao gosto dos apreciadores, o que predomina é a linha melódica romântica e envolvente, podendo entrecruzar-se na seresta vários ritmos, como sambas, canções, marchas, toadas - que prestam-se perfeitamente a uma adorável boemia.
No show SERESTAS & CANÇÕES o cantor Eduardo Canto, relembrará algumas histórias de amor musicadas da época de ouro do rádio, e contará a história de suas composições e autores. No roteiro do show SERESTAS & CANÇÕES, clássicos como Chão de Estrelas, Eu Sonhei Que Tu Estavas Tão Linda, Serra Da Boa Esperança, Lábios Que Beijei, A Deusa Da Minha Rua, Camisola Do Dia, Malandrinha, Paz Do Meu Amor, A Volta Do Boêmio e Negue.
Eduardo Canto estará acompanhado do pianista e cantor Wladimir Pinheiro, que recentemente participou do musical Orfeu, como o poetinha Vinicius de Moraes. Um show para cantar, relembrar e se emocionar.

Show de humor Stand up comedy


Cia Comédia d' Marte 
Dias 29 e 30/7 - sexta-feira às 19h30 e sábado às 19h
Censura: 14 anos

Show de humor “Stand up comedy” 
O grupo tem quatro membros, mas o elenco é rotativo. Os shows terão a participação de um ou dois comediantes diferentes, para tornar o espetáculo mais dinâmico. O grupo é formado por Bruno Frangolino, Fernando Gabriel, Gustavo de Moraes, Marcos Valim e Yan Tarik.
Inicialmente a idéia do grupo era fazer comédia Stand Up, mas com o tempo percebemos que o nosso principal objetivo era fazer todo mundo rir, não nos limitando a um estilo de comédia apenas.
O ponto forte do grupo é o stand up comedy, mas devido a versatilidade do grupo hoje podemos atuar em qualquer seguimento da comédia: Jogos de Improviso, Show de Piada, Paródias Musicais, Imitações, e Esquetes cômicas.
Stand-up comedy é uma expressão em língua inglesa que indica um espetáculo de humor
executado por apenas um comediante. O humorista se apresenta geralmente em pé (daí o termo 'stand up'), sem acessórios, cenários, caracterização, personagem ou o recurso teatral da quarta parede, diferenciando o stand up de um monólogo tradicional. Também chamado de humor de cara limpa, termo usado por alguns comediantes.
O humorista stand up não conta piadas conhecidas do público (anedotas). O texto é sempre original, normalmente construído a partir de observações do dia-a-dia e do cotidiano.
Praticamente qualquer coisa pode ser usada como ingrediente na comédia stand-up. O estilo é considerado por muitos um dos gêneros mais difíceis de se executar e dominar, talvez porque o artista em cena esteja desarmado, despido de personagens, apresentando suas idéias a respeito das coisas do mundo, e ainda esteja à mercê da platéia: não raro deve-se ajustar rapidamente sua apresentação de acordo com o humor e gosto de uma platéia específica. Ainda, as habilidades necessárias pra ser um stand-up comedian são diversas. É freqüentemente necessário que se assuma de forma solitária os papéis de escritor, editor, artista, promotor, produtor, e técnico simultaneamente.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Show com Eduardo Canto


Eduardo Canto
Dia 21/7 - Quinta-feira - 17h
Show “Serestas & Canções” 
No passado, os apaixonados detinham-se às janelas de suas pretendidas, para tocar e cantar madrugada a dentro, iluminados pela luz da lua, constituindo um costume boêmio que logo passou a denominar-se seresta ou serenata.
O estilo musical das serenatas sempre ficou a critério ou ao gosto dos apreciadores, o que predomina é a linha melódica romântica e envolvente, podendo entrecruzar-se na seresta vários ritmos, como sambas, canções, marchas, toadas - que prestam-se perfeitamente a uma adorável boemia.
No show SERESTAS & CANÇÕES o cantor Eduardo Canto, relembrará algumas histórias de amor musicadas da época de ouro do rádio, e contará a história de suas composições e autores. No roteiro do show SERESTAS & CANÇÕES, clássicos como Chão de Estrelas, Eu Sonhei Que Tu Estavas Tão Linda, Serra Da Boa Esperança, Lábios Que Beijei, A Deusa Da Minha Rua, Camisola Do Dia, Malandrinha, Paz Do Meu Amor, A Volta Do Boêmio e Negue.
Eduardo Canto estará acompanhado do pianista e cantor Wladimir Pinheiro, que recentemente participou do musical Orfeu, como o poetinha Vinicius de Moraes. Um show para cantar, relembrar e se emocionar.

Show com Bambo de bambu


Bambo de Bambu
Dias 22 e 23/7 - sexta-feira às 19h30; e sábado às 19h
Show “Memórias do Rio” 
O Grupo Bambo de Bambu nasceu da paixão e da pesquisa sobre a história do Rio de Janeiro, especialmente seu recorte cultural e musical.
A criação do grupo aconteceu pelo desejo de visitar o clima peculiar de uma época em que a música carregava consigo o bom humor, a irreverência inteligente típica da tradição musical carioca e sonoridades particulares: Choro, Marchinhas, Sambas, com seus autores fundamentais para a música do Rio. Então surgiu a idéia de reunir músicos identificados com o material de pesquisa levantado para criar um show todo baseado no vasto repertório da musica regional carioca.
Forma-se então em 2006, com pompa e circunstância, o BAMBO DE BAMBU.
Com um acervo impressionante de músicas, fotografias, filmes e literatura de época, o Bambo de Bambu criou um espetáculo que combina com maestria todos esses elementos, tornando fácil a identificação do público com a ambiência dos grandes carnavais e folias cariocas.
A proposta do grupo já foi apreciada e aprovada por milhares de pessoas em várias cidades do estado e por onde passam vem o convite para retornarem. E não é por acaso, pois são quase duas horas em que o público dança, ri e interage com a história musical do Rio e prova seu vigor e atualidade.
Um telão faz o cenário dos shows e exibe imagens de época. Figurinos inspirados e pequenas histórias do puro humor carioca levam o público a perceber que a raiz musical do Rio de Janeiro, sua marca registrada, está viva e permanece como um forte elo de ligação cultural.
O grupo Bambo de Bambu considera fundamental criar caminhos para a interação do público com o vigor da cultura musical carioca.
Viajar pelo universo de sonoridades criadas por autores como Pixinguinha, Assis Valente, Noel Rosa, Braguinha, Lamartine Babo, Ataulfo Alves, Ernesto Nazareth, Aníbal Silva, entre tantos outros é reencontrar um manancial de inspiração para manter viva a alegria e a força criativa carioca.
No repertório previsto para o show estão as músicas:
Touradas em Madrid ( João de Barro & Alberto Ribeiro ) , Lá Vem o Ipanema- ("Marina" Batista-Roberto Roberti-Arlindo Marques Jr.) , Adeus ( Noel Rosa, Francisco Alves e Ismael Silva) , Maria Boa ( Assis Valente ), Falam de Mim ( Noel Rosa de Oliveira - Éden Silva - Aníbal Silva ), Bambo de Bambu ( Donga – Almirante - V. Abreu e P. Teixeira ), Laranja Madura ( Ataulfo Alves), Fim de Semana em Paquetá ( Alberto Ribeiro e Braguinha), Maria Candelária ( Armando Cavalcanti e Klécius Caldas), Na Cadência do Samba ( Ataulfo Alves), Não Resta a Menor Dúvida (Hervê Cordovil & Noel Rosa), Tem Gato na Tuba (João de Barro & Alberto Ribeiro), Piston de Gafieira (Billy Blanco), Jura ( José Barbosa da Silva (sinhô) ), Cidade Mulher (Noel Rosa), Chegou a Bonitona\(Geraldo Pereira / José Batista), Marcha do Gago (Armando Cavalcanti - Klécius Caldas), Maria Escandalosa ( Klécius Caldas/Armando Cavalcanti ) e Allah-la-ô ( Haroldo Lobo e Nássara)

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Show "Mestres do samba" com Eduardo Canto

 
Eduardo Canto
Dia 14/7 - Quinta-feira - 17h
Show “Mestres do samba” 
Depois do sucesso do show em homenagem a Lupicinio Rodrigues, Eduardo Canto e toda magnitude de sua voz de barítono, lança SAMBA DE MESTRE. No roteiro sambas que nos remetem ao Rio antigo, às suas histórias de malandragem e às noites apaixonantes embaladas pelas poesias musicadas de compositores da época de ouro do rádio, e emociona na interpretação de O MUNDO É UM MOINHO de Cartola, SOMOS IGUAIS de Jair Amorim e Evaldo Gouveia, ÚLTIMO DESEJO de Noel Rosa, MENSAGEM de Aldo Cabral e Cícero Nunes. Eduardo regravou também SEM COMPROMISSO de Nelson Trigueiro e Geraldo Pereira e MEMÓRIAS DO CAFÉ NICE de Monalisa e Artulio Reis, imortalizada na voz de Nelson Gonçalves.
Roteiro Do Show: Último Desejo – Noel Rosa / O Mundo É Um Moinho – Cartola / Somos Iguais – Jair Amorim e Evaldo Gouveia /Cabelos Brancos – Marino Pinto e Herivelto Martins / Esses Moços – Lupicinio Rodrigues / Nervos de Aço – Lupicinio Rodrigues / Louco – Wilson Batista / Mensagem – Cicero Nunes e Aldo Cabral / Sem Compromisso - Geraldo Pereira e N. Trigueiro /Pois É – Ataulfo Alves / Antonico – Ismael Silva / Memórias Do Café Nice – Monalisa e Artulio Reis / A Flor E O Espinho – N. Cavaquinho, A.Caminha e G. de Brito / O Neguinho E A Senhorita – Noel Rosa de Oliveira e Abelardo Silva

Show com Mário Noya


Mário Noya  
Dias 15 e 16/7 - sexta-feira às 19h30, e sábado às 19h

Show “Noite sem fim” 
Não diferente de muitos profissionais da música no Brasil, a escola deste mineiro foi mesmo a noite. Filho de um violonista o talento musical e poético de Mário Noya já se manifestava desde sua infância. Iniciou sua carreira tocando em bares, festas e eventos musicais em diversas casas noturnas de Belo Horizonte e cidades vizinhas.
No inicio dos anos 90 uniu-se a outros músicos e formou a banda “Brilho de Beleza”, com um estilo dançante. Teve até então seu melhor desempenho, fazendo uma música pop com elementos do samba reggae. Por muito tempo manteve shows semanais no tradicional bairro de Santa Teresa-BH com média de duas mil pessoas em pleno domingo. Mas o “Axé-Music” e Mário Noya seguiram rumos diferentes.
O artista preferiu enveredar na busca de uma música cada vez mais conceitual e foi conhecer novas culturas. Imergiu na música mato-grossense. Curioso foi estudar as raízes negras da cultura da região pantaneira e cuiabana legítima, o que resultou na produção, em parceria com a Secretaria de Cultura do Estado de Mato Grosso, do CD independente, “Mário Noya – O DE SEMPRE” Inspirado no filme “Os Cinco Morenos”, de Luiz Borges, que teve uma tiragem de três mil cópias e foi um dos mais tocados nas rádios do Estado Mato-grossense.
De volta a Belo Horizonte montou a banda “Zig Vagalume”, com um estilo pop rock, subiu e desceu os morros de BH fazendo temporadas no “Barnabé”, famoso espaço de shows localizado na Savassi, reduto dos botecos da capital das Minas. A recepção calorosa do público resultou num CD homônimo com levadas de reggae, funk e rock a tiragem promocional de duas mil cópias, rapidamente consumida pelos fãs mineiros, até hoje fiéis seguidores de Noya. Projetos paralelos dos integrantes da “Zig Vagalume”, obrigaram Mário a extinguir a banda e pensar em sua carreira solo. Já era a hora.
Surgia então o CD “Misto Quente” onde cantava além de suas composições, clássicos como: Sinal Fechado de Paulinho da Viola e Durango Kid de Toninho Horta.
Abria-se assim o caminho para o primeiro CD completamente autoral. Era 2006 e agora com sua banda, que possuía um entrosado trio de metais, compartilhando idéias e sugestões num processo de criação coletiva, lançou o CD “Divirta-se”, o single e vídeo clipes das músicas “Renata” e “A Máquina do Tempo”, maior sucesso do cantor até hoje .
A partir daí, foi convidado para realizar shows no Brasil e fora dele, em eventos que iam de descontraídos encontros de colecionadores de carros antigos, grupo reconhecidamente afinado com a música “A Maquina do Tempo”, a solenidades como uma apresentação no navio Costa Marina (Itália). Em 2008 realizou show em Natal-RN dentro do projeto Mão Dupla que reuniu artistas do RN e MG, no histórico bairro da Ribeira. Em 2009, além dos redutos brasilienses tradicionais, Clube do Choro e Feitiço Mineiro, realizou shows em parceria com o cantor potiguar Geraldo Carvalho em Brasília-DF e outras capitais, pelo mesmo projeto.
No momento se prepara para realizar a turnê “Palco Caminhão Show Itinerante” que correrá a região sudeste a partir do segundo semestre, projeto este que tem o apoio do Governo Federal.
Mário Noya lança agora o novo CD “Noite Sem Fim”, que foi gravado no período de março a abril de 2010 no Rio de Janeiro. O álbum que tem dez músicas próprias (algumas em parceria como “Beijo Roubado”, assinada também pelos compositores potiguares Romildo Soares e Geraldo Carvalho), foi produzido por J Souza e arranjado por Guto Wirtti e Henrique Band. “Noite sem Fim”, com muito bom humor e swing, mistura rock e samba-funk e conta com a participação de grandes artistas como o baterista Cláudio Infante, os baixistas André Vasconcelos e Jamil Joanes, os guitarristas Felipe Pinoud e Bernardo Bosisio entre outras feras.
Ouvindo o CD ou assistindo o show é possível captar a mensagem de Mário Noya e de sua banda: na vida e nos palcos diversão é solução sim!!!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Show "Mestres do samba" com Eduardo Canto

 Eduardo Canto 
Dia 7/7 - Quinta-feira - 17H

Show "Mestres do samba"
Depois do sucesso do show em homenagem a Lupicinio Rodrigues, Eduardo Canto e toda magnitude de sua voz de barítono, lança SAMBA DE MESTRE. No roteiro sambas que nos remetem ao Rio antigo, às suas histórias de malandragem e às noites apaixonantes embaladas pelas poesias musicadas de compositores da época de ouro do rádio, e emociona na interpretação de O MUNDO É UM MOINHO de Cartola, SOMOS IGUAIS de Jair Amorim e Evaldo Gouveia, ÚLTIMO DESEJO de Noel Rosa, MENSAGEM de Aldo Cabral e Cícero Nunes. Eduardo regravou também SEM COMPROMISSO de Nelson Trigueiro e Geraldo Pereira e MEMÓRIAS DO CAFÉ NICE de Monalisa e Artulio Reis, imortalizada na voz de Nelson Gonçalves.
Roteiro Do Show: Último Desejo – Noel Rosa / O Mundo É Um Moinho – Cartola / Somos Iguais – Jair Amorim e Evaldo Gouveia /Cabelos Brancos – Marino Pinto e Herivelto Martins / Esses Moços – Lupicinio Rodrigues / Nervos de Aço – Lupicinio Rodrigues / Louco – Wilson Batista / Mensagem – Cicero Nunes e Aldo Cabral / Sem Compromisso - Geraldo Pereira e N. Trigueiro /Pois É – Ataulfo Alves / Antonico – Ismael Silva / Memórias Do Café Nice – Monalisa e Artulio Reis / A Flor E O Espinho – N. Cavaquinho, A.Caminha e G. de Brito / O Neguinho E A Senhorita – Noel Rosa de Oliveira e Abelardo Silva.

Show com Carlos Navas


Carlos Navas 
Dias 8 e 9/7 - sexta-feira 19h30 e sábado 19h
 
   Show “Junte tudo o que é Seu“
Carlos Navas lança seu nono CD, dedicado às canções de Custódio Mesquita, um dos mais importantes autores brasileiros, cujo centenário de nascimento foi completado ano passado. Ao lado da pianista Monique Aragão, ele faz um passeio delicado através desta obra sensível e refinada que influenciou mestres como Tom Jobim. São parcerias do homenageado com Sadi Cabral, Evaldo Rui, Mário Lago, Noel Rosa e Orestes Barbosa. Clássicos como “Enquanto houver Saudade”, “Nada Além”, “Como os rios que correm pro mar”, “Saia do Caminho” (de onde foi extraído o subtítulo), “Noturno em tempo de Samba”, “Adivinhe Coração”, “Mentirosa” e “Velho Realejo” são algumas das pérolas presentes. Mario Reis, célebre intérprete a quem Navas tributou em belo álbum lançado em 2007, também será reverenciado através de “Prazer em Conhecê-lo” (única parceria de Custódio e Noel Rosa) e “Doutor em Samba”, imortalizadas em sua voz.

Show com a Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro - no jardim

 
Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro
Dia 9/7 - sábado - 11H
Gratuito
 
A OBRJ fará uma apresentação no jardim do Centro Municipal de Referência da Música Carioca, como encerramento das atividades do primeiro semestre. No repertório músicas que fazem parte do CD lançado no final de 2010, além de outros arranjos que já fazem parte do repertório da orquestra. O CD Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro – Volume 1, traz composições exclusivas de Dona Ivone Lara, Gilson Peranzzetta, João Lira e Leandro Braga, entre outros, que também assina a produção musical. Contou ainda com a participação especial de Chico César interpretando a canção “Sempre” de Rubens Kurin.

Repertório a ser apresentado:

- Jurando Falso – Pixinguinha
- Chiclete com Banana – Gordurinha e Almira Castilho
- É Hoje – Didi e Mestrinho
- Samba da Benção – Vinícius de Moraes e Baden Powell
- Rio que Bate – Leandro Braga
- Aquele Abraço – Gilberto Gil
- Turma da Paz – Gilson Peranzzetta
- Destino – Dona Ivone Lara e Bruno Castro
- Sempre – Rubens Kurin

A Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro faz parte do “Projeto TIM Música nas Escolas” e
foi formada em meados de 2007 sendo constituída por 60 jovens músicos que foram selecionados nas escolas públicas municipais Soares Pereira, Gonçalves Dias e José Piquet Carneiro, ao longo das atividades do projeto. Os participantes da Orquestra recebem semanalmente aulas de teoria, de instrumentos específicos e prática de orquestra.

O TIM Música nas Escolas possibilita a crianças e adolescentes de escolas públicas, por
meio da linguagem universal da música, novas formas de aprendizagem que contribuem para a melhoria do desempenho escolar e estimulam o desenvolvimento de uma cultura de paz (conceito sustentado pela Unesco). O projeto já envolveu até o momento mais de 20 mil estudantes em 13 cidades brasileiras.
No Rio de Janeiro, o TIM Música nas Escolas acontece desde o início de 2005.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Workshop "Educação Musical"


WORKSHOP “EDUCAÇÃO MUSICAL” com a ORQUESTRA BRASILEIRA DO RJ
Dia 28/06 - terça-feira - 10h às 11h30 (Manhã) e 14h30 às 16h (Tarde)
Gratuito

Em 2011, a OBRJ em parceria com o CMRMC realizará mensalmente workshops de educação musical aberto ao público, mas, direcionado a alunos da rede públicas do entorno com idades entre 7 e 10 anos. Este é uma forma dos integrantes da orquestra exercitarem o aprendizado além de passar adiante estes conhecimentos adquiridos no Projeto. As formações serão diversificadas a cada edição, onde, além de apresentar um pouco sobre cada instrumento, executarão um repertório preparado especialmente para os workshops.

OBS. Esta atividade será realizada às quintas-feiras na quarta semana dos próximos meses, em dois horários, manhã (10h às 11h30) e tarde (14h30 às 16h) exceto julho e dezembro.

Show Jair Amorim & Evaldo Gouveia – Sentimental Demais com Eduardo Canto


Eduardo Canto
Dia 30/06 - Quinta-feira - 17h
Show Jair Amorim & Evaldo Gouveia – Sentimental Demais, com Eduardo Canto
De 1931 até meados de  1960 o rádio vive a sua era de ouro. É neste período que as rádios têm seus auditórios lotados e os programas faziam grande sucesso entre os ouvintes. Névoas de mistério pincelavam os sonhos dos ouvintes, que imaginavam como seriam seus ídolos. Tanta curiosidade fazia os ouvintes capricharem nas roupas para ver os donos das vozes de perto. Os programas musicais e de auditório consagraram os cantores da época e criaram ídolos, fazendo deles eternos ícones da cultura brasileira.
     No show  Nas Ondas do Rádio, o cantor Eduardo Canto lembrará um pouco das histórias e canções dessa época e de seus artistas, entre eles nomes como Lupicinio Rodrigues, Dalva de Oliveira, Nelson Gonçalves, Noel Rosa, Ataulfo Alves e muitos outros.
     O presente show tem como objetivo preservar a memória social e cultural da nossa música. A difusão destas canções, de suas histórias, de seus intérpretes e compositores é de grande importância para a conservação da história musical do Brasil.

Fim de semana instrumental - Show com Duo Duas Contas


Duo Duas Contas
Dia 01/07- sexta-feira - 19h30

O DUO de violões é uma mistura de requinte jazzístico com o swing da música brasileira, apresentando releitura dos clássicos da bossa nova e do jazz sempre em formato instrumental.
Inspirado por uma música do compositor Garoto, o duo Duas Contas surgiu a partir do encontro de 2 amigos que se conheceram na Escola de Musica Villa-Lobos para aprimorar os estudos de improvisação. Passaram então a ensaiar e se apresentar em pequenos espaços da cidade para musica instrumental. Com os ensaios, além de temas conhecidos do jazz e da bossa nova, foram introduzidos no repertorio alguns choros e começaram a surgir algumas músicas autorais. Recentemente, o maestro Magro Waghabi(diretor musical e vocalista e um dos fundadores do grupo vocal MPB4), deu uma música para o duo, o choro "Mané não desce escada", feito em homenagem ao seu cachorro, o Mané, que ao subir as escadas da casa do maestro, ficava com medo de descer sozinho e latia do alto da escada, esperançoso por auxilio. Além da formação com 2 violões, o duo mostra versatilidade ao variar os instrumentos quando Bruno toca guitarra elétrica e Thiago vai para o baixo elétrico. Neste show, o duo conta com a participação luxuosa de Diego Soares na percussão e bateria e de Alexandre Raicevich nos sopros, formando, em determinado momento, um quarteto tradicional no jazz com bateria, guitarra, baixo e saxofone. Um show de uma safra de músicos fazendo a nova musica instrumental brasileira, com repertorio recheado de clássicos do jazz e da bossa, choros e musicas inéditas.

Regional da Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro


Regional da Orquestra Brasileira do RJ
Dia 02/07 - Sábado - 17H
Gratuito

A apresentação aontecerá no jardim do CMRMC e participa das comemorações de 1 ano de pacificação da comunidade da Formiga.
O regional, grupo formado por 15 integrantes da Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro, é uma mostra de que o choro e o samba é uma combinação que realmente dá certo. A Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro faz parte de uma das atividades desenvolvidas pelo Projeto TIM Música Nas Escolas que tem como objetivo através da linguagem universal da música oferecer aos participantes novas formas de aprendizagem para a melhoria do desempenho escolar e estimular o desenvolvimento de uma cultura de paz.
Estes jovens músicos viram nesta proposta uma possibilidade de estar em contato com um repertório de uma riqueza infinita e de conhecer os mais renomados nomes destes dois ritmos genuinamente brasileiros.
No repertório, grandes clássicos como: Carinhoso (Pixinguinha/João de Barro), A Flor Amorosa (Antonio Callado), Arrasta pé e Pedacinho do céu (Waldir Azevedo) e Gaucho (Chiquinha Gonzaga); entre outros.
O TIM Música nas Escolas possibilita a crianças e adolescentes de escolas públicas, por meio da linguagem universal da música, novas formas de aprendizagem que contribuem para a melhoria do desempenho escolar e estimulam o desenvolvimento de uma cultura de paz (conceito sustentado pela Unesco). O projeto já envolveu até o momento mais de 20 mil estudantes em 13 cidades brasileiras.
No Rio de Janeiro, o TIM Música nas Escolas acontece desde o início de 2005