cmrmc

cmrmc

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

WORKSHOP "EDUCAÇÃO MUSICAL" COM OBRJ



Workshop "Educação Musical" com a Orquestra Brasileira do Rio de Janeiro
Dia 24/11 - Quinta-feira 10h às 11h30 e 14h30 às 16h  
Gratuito

Em 2011, a OBRJ em parceria com o CMRMC realizará mensalmente workshops de educação musical aberto ao público, mas, direcionado a alunos da rede públicas do entorno com idades entre 7 e 10 anos. Este é uma forma dos integrantes da orquestra exercitarem o aprendizado além de passar adiante estes conhecimentos adquiridos no Projeto. As formações serão diversificadas a cada edição, onde, além de apresentar um pouco sobre cada instrumento, executarão um repertório preparado especialmente para os workshops.
Esta atividade será realizada às quintas feiras na quarta semana de cada mês, em dois horários, manhã (10h às 11:30) e tarde (14:30 às 16h) exceto dezembro.

Show com Solange Pellegrini


Solange Pellegrini
Dias 26 e 27/8 - sexta-feira às 19h30 e sábado às 19h

Atualmente apresenta seu trabalho de releituras de samba e bossa. , em companhia de dois dos mais renomados músicos da musica brasileira: Perinho Santana (guitarrista que acompanhou Caetano Veloso, Gilberto Gil , A Cor do Som e outros artistas de renome da musica brasileira ) e Gustavo Schroeter (baterista da A Cor do Som, Marcos Valle ,Gal Costa, Jorge Benjor, Morais Moreira, Zé Ramalho, dentre outros. ).
Dona de voz melodiosa e afinada, Solange vem abrindo caminho na cena musical carioca, encantando as privilegiadas platéias que tiveram a oportunidade de assistir a suas apresentações – que revelam talento, sensibilidade e estilo próprio – e conquistando o público das casas aonde vem apresentando sucessos de Tom Jobim , Vinicius de Moraes , Billy Blanco , Marcos Valle , Baden Powell , Dorival Caymmi , Gonzaguinha e outros.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Show com Masé Sant' Anna



Masé Sant'Anna
Dia 18/08 - Quinta-feira - 19h30

Show “Essas mulheres brasileiras – O tom feminino na Canção” com MASÉ SANT' ANNA
Projeto idealizado pela cantora Masé Sant’Anna, o espetáculo é uma homenagem às compositoras Brasileiras e tem como alinhavo fragmentos de textos de algumas de nossas poetisas. Foi árduo descobrir e mais ainda colocar todas as compositoras no espetáculo, pois de onde mais se tirava mais se constatava que havia. Uma caixa de surpresas.
Num universo que vai de Gonzaga (Chiquinha) a Gadú (Maria) foram escolhidas as compositoras que mais produziram ao longo do início do século XX até os dias atuais.
Porém, todas serão citadas, de alguma forma; em “Sonho Meu”, da matriarca D. Ivone Lara, serão lembradas Leci Brandão, Ana Costa, Tereza Cristina e outras sambistas que certamente beberam desta valiosa fonte; Mart’nália/ Zélia Duncan (“Benditas”), Marisa Monte (“Palavras ao vento”) e Adriana Calcanhoto (“Esquadros”) foram as escolhidas para representar o vasto time de compositoras que surgiram na década de 80. As veteranas Maysa e Dolores Duran serão merecidamente homenageadas em novas leituras. A não tão veterana, nem tão moderna Joanna também está dentre as escolhidas, representando o importante rol de compositoras românticas do nosso cancioneiro. A irreverente Rita Lee não será tão obviamente lembrada por essa característica, seu humor picante, mas pela irreverência romântica na deliciosa “Shangrilá”. A belíssima “Mel poejo”, de Fátima Regina e Nei Lopes é bandeira das compositoras que são desconhecidas do grande público, mas que têm em suas gavetas obras muito valiosas, que merecem ser apresentadas. Nossa rica Lia de Itamaracá terá seu momento de dar a graça do ar representando as mulheres que fazem uma música mais regional e aquelas que partiram em busca de reconhecimento fora do Brasil, por nunca terem deixado de amar e exibir esta pátria – nem sempre justa com seus mais caros artistas –, terão como representante a fabulosa Tânia Maria.
Muitas dessas mulheres têm homens como parceiros, o que prova que o espetáculo está longe de ser uma proposta feminista e o público masculino é extremamente bem-vindo. E, querendo ou não, a nação de machos, feministas, femininas, femininos e masculinas está nas mãos de unhas pintadas de uma forte mulher.
A Direção Musical de Cesar Machado conta com um time de músicos de primeira linha:
Adriano Giffoni – Baixo; Cesar Machado – Bateria; Misael da Hora – Piano e Tuca Alves –
Guitarra e Violão
Direção Geral de Fátima Regina e Antonio Carlosouza.



Show com Gabi Buarque


Gabi Buarque
Dias 19 e 20/08 - sexta-feira às 19h30; e sábado às 19h

Vencedora do Troféu Elizeth Cardoso de Melhor Intérprete no II Festival das Rádios Públicas do Brasil, Gabi Buarque se prepara para o lançamento de seu primeiro cd, produzido em parceria com Miguel Martins (violão e arranjos) aonde apresentará canções de sua autoria e de alguns parceiros.
O show autoral de pré-lançamento do cd “Gabi Buarque-Deixo-me acontecer” no Cinemathèque, teve divulgação na coluna de Joaquim Ferreira dos Santos, do jornal O Globo e no site O Globo Online, além de participação no Programa Atitude.Com na TV Brasil.
A cantora, compositora e instrumentista tem formação técnica na Escola de Música Villa-Lobos e especialização em Canto de Samba-Choro, Violão e Cavaco pela Escola Portátil de Música (choro). Apresentou-se em locais como Teatro Nelson Rodrigues, Vinicius Bar, Hotel Sofitel Copacabana, Espaço Rio Carioca, e nas rádios Roquette Pinto (94.1 FM), MEC (800 AM), Nacional (1130 AM) e Manchete (760 AM).
Gabi produziu e cantou no recital “Timoneiro” de Herminio Bello de Carvalho, no Centro de Referência da Música Carioca, em 2008 e 2009.
Em 2010, participou do musical "Onomatopeia Não é Palavrão" no CCBB, com participações de Marcos Sacramento, Pedro Miranda, Amelia Rabello, Pedro Amorim e outros. O espetáculo é baseado no livro Onomatopeias Musicais, do qual é pesquisadora e co-autora, lançado na Sala Baden Powell em 2007, com direção do saudoso Vicente Maiolino.
Além de seu trabalho autoral, Gabi também integra o grupo Mulheres de Chico com apresentações no Bar do Tom, Teatro Odisséia, Centro Cultural Sérgio Porto, Cultural Bar - MG e na Praia do Leblon (desfile de carnaval para 12 mil pessoas).
Gravação de coro nos CDs: Cidade das Noites - Anabela, SP (2008) ao lado de Cristina Buarque, Marcelo Menezes e Gabriel Cavalcante, Sacradança - Thiago Amud (2008), Frevo Diabo (2007), Arribação - Lili Araujo (2007) ao lado de Mariana Bernardes, Bossa Trio (2006) e Baú do Samba - É com esse que eu vou (2005).

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Show com Jeff Chagas


 Jeff Chagas
Dia 11/8 - quinta-feira - 19h30
A música aconteceu nas quadras dos blocos e escolas de samba, quando o mestre de bateria deixava as crianças tocarem o repique, o surdo, a caixa e o tamborim. Jeff Chagas cresceu com samba e depois partiu para explorar outras possibilidades como compositor e intérprete.
A maneira intuitiva de compor e tocar revela uma obra de saborosa versatilidade rítmica, onde se fazem presentes a salsa, o jazz, o reggae, o maracatu, o soul, o pop, além do samba, é claro. As linhas melódicas são construídas a partir de um lirismo poético a serviço de temas como a natureza, a cidade, o universo infantil e a crítica social.
Em 2002, gravou o disco “Matutando”, junto com sua banda “O Balaio”. Esse primeiro trabalho independente trouxe canções inéditas suas e de outros compositores, e teve divulgação em todo o Brasil e na Europa, rendendo apresentações no Rio, em São Paulo, Minas Gerais e Paraná.
Com o fim do Balaio, em 2004, Jeff optou pela carreira solo. Foi para Cuba e lá se encantou com a musicalidade da ilha, passando a se aproximar cada vez mais dos ritmos afrocaribenhos. Em pouco tempo, o resultado estava nos palcos. Jeff incluiu em seu repertório o merengue, o mambo, o cha cha cha, o bolero e a salsa, num passeio pela magia e riqueza do universo latino-americano.
Neste período, percorreu várias casas do renovado complexo cultural da Lapa cantando samba e música caribenha, e estreitando contatos com a nova geração de músicos do bairro boêmio carioca, muitos dos quais o acompanharam em diversos shows e nas gravações de seu segundo disco “EU RIO”, que o compositor agora apresenta ao público.
No palco, além de mostrar o repertório do novo álbum, Jeff comanda um baile show com o melhor do samba-jazz e da música latina, com canções de João Donato, Jorge Benjor, Wilson Moreira, Marcelo Camelo, Santana, Pink Martini, Chico Buarque e muito mais.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Show com Dayse do banjo

  Dayse do banjo
Dia 4/8 - Quinta-feira - 19h30


Instrumentista, cantora e compositora, nascida e criada em Padre Miguel, filha de músico erudito, aprendeu vários instrumentos de percussão, além do banjo, cavaquinho e violão. Artista de longa história musical no Rio, há 18 anos com sólida carreira em São Paulo.
DAYSE DO BANJO participou do movimento de samba no Cacique de
Ramos e iniciou sua carreira profissional nos anos 80 acompanhando como cavaquinista Dominguinhos do Estácio, Neguinho da Beija-Flor, Jorginho do Império, também participando do projeto Seis e Meia no teatro João Caetano, acompanhando Dona Ivone Lara e Jovelina Pérola Negra.
O nome Dayse do Banjo surgiu pelo interesse do público que perguntava: "você conhece a Dayse? Qual Dayse? A do Banjo" diziam todos, dando assim origem ao seu nome artístico.
Sob direção de Haroldo Costa, trabalhou no Hotel Intercontinental durante 8 anos em São Conrado-RJ. e, em eventos musicais no Brasil e no exterior, representando o samba e a cultura popular brasileira nos EUA e na Colômbia.
Em 1990 fez a harmonia do cavaco acompanhando na Passarela do Samba o mestre Jamelão e a Mangueira. Sacudindo a Sapucaí despediu-se do Rio de Janeiro. E que despedida! Teve seu desempenho reconhecido e elogiado pela imprensa que “cobria” o carnaval nesta avenida.
No ano seguinte a Gaviões da Fiel conquistava o título de campeã do carnaval paulista. Com seu cavaquinho, DAYSE deu aquele ritmo ao samba escolhido para representar a escola. Em seu portal na internet, a agremiação registrava que DAYSE era a primeira mulher a tocar cavaquinho nos desfiles oficiais no Sambódromo na terra da garoa. (Aliás, a artista foi a primeira mulher a tocar cavaquinho em desfiles oficiais do Rio e de São Paulo). Até o ano 2000, DAYSE foi cavaquinista de Almir Guineto, de quem se tornou parceira.
Em São Paulo, se apresenta semanalmente no espaço cultural "Traço de União-Casa de Brasilidades", com repertório que passeia pelo samba, choro e MPB adaptados ao seu estilo vigoroso de conduzir suas interpretações. Como instrumentista, acompanha expoentes do samba como Moacyr Luz, Adilson Bispo, Noca da Portela, tia Surica, Arlindo Cruz, Sombrinha, entre outros, mostrando sua versatilidade e preparo musical.
DAYSE prepara seu primeiro CD solo onde interpretará suas composições e outras de autores já consagrados no vasto movimento do samba brasileiro.

Show com Sidney Mattos


  Sidney Mattos
Dias 05 e 06/08, sexta-feira às 19h30 e sábado às 19h

O músico, compositor e multi-instrumentista Sidney Mattos apresenta seu show instrumental INTERFACES, dia 05 de Agosto, às 19h, no Centro Municipal de Referência da Música Carioca. Esse mesmo show foi gravado ao vivo, ano passado, num show memorável no próprio CMRMC.
No repertório temas instrumentais recolhidos dos seus cinco CDs instrumentais já gravados. Músicas próprias e ainda uma pequena homenagem à bossa nova.
O show contará com a banda: Sidney Mattos – teclado e voz, Carlito Gepe – baixo e Sérgio Jaburu – bateria e Guilherme Brício – sax e flauta.