cmrmc

cmrmc

segunda-feira, 26 de março de 2012

Rio Clássicos


Ventos do Rio
Dia 29/3 - Quinta-feira - 19h30


Ventos do Rio interpretam a música para flautas de Sergio Roberto de Oliveira
Obras de Sérgio Roberto de Oliveira, compositor carioca indicado ao Grammy Latino

O trio recém-formado reúne flautistas especializados em música brasileira contemporânea e participantes de grupos de destaque nesse cenário, como o GNU, o CRON e o Trio Rónai.

O Trio é formado por: 
MARIA CAROLINA CAVALCANTI, RUDI GARRIDO e MAYCON LACK.

Rio Jazz



Luiz Brasil
Dia 30/3 - Sexta-feira - 19h30
Primeiro grupo importante que participou foi o Mar Revolto, ainda na Bahia, depois veio morar no Rio e tocou com Zezé Mota, daí pra cá foi uma grande sequência.

Tem colocado seu trabalho ao longo desses anos em colaboração de:

Gal Costa, Maria Bethânia, Fernanda Abreu, Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Jussara Silbveira,Virgínia Rodrigues, Elza Soares, Roberto Mendes, Simone, Tiganá Santana, Skank, Nando Reis, Cássia Eller, Ivan Lins, Zé Miguel Wisnick, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Skank, Ryuichi Sakamoto, Luciano Pavaroti, Mayra Andrade, Márcia Castro, Carlos Malta, Antonio Villeroy, entre outros...

Dentre os arranjos compostos por Luiz Brasil, se destacam canções dos álbuns “Com Você Meu Mundo Ficaria Completo” e “Acústico MTV” (este lhe rendeu um Garmmy Latino como Produtor), da cantora Cassia Eller. Luiz também assina os arranjos de “Livros”, Alexandre”, “Não Enche”, gravadas no álbum “Livro” de Caetano Veloso, com quem fez parte da banda por 10 anos. Diferentes características artísticas de Luiz Brasil também podem ser observadas em outras trabalhos de Caetano, como nas faixas Na Baixa do Sapateiro (“Livro”) e Cantiga de Boi (“Noites do Norte”). O Arranjo de cordas de Aquarela do Brasil/ Cidade Maravilhosa, cantadas por Daniela Mercury, para a abertura dos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro em 2007. Produziu a trilha sonora do filme Ó pai Ó , dirigido por Monique Gardenberg. Recentemente fez parte da trilha sonora do Grupo Corpo.

Nesse show:
Lucio Alves – Bateria
Nema Antunes – Baixo
Marcelo Martins – Flauta e Saxofones
Adaury Jr – Piano e Acordeon
Luiz Brasil – Violão e Guitarra

Rio Ritmos


Marcelo Caldi
Dia 31/3 - Sábado - 19h30

Marcelo Caldi – Homenageia o Rei do Baião, Luiz Gonzaga

O maior ícone da nossa cultura popular completa 100 anos em 2012. A comemoração do Centenário de Luiz Gonzaga visa a manter na memória coletiva a grandiosidade e a importância desse artista para nós nos compreendermos como povo brasileiro, como nação.
O Centenário é uma excelente oportunidade para celebrar a diversidade musical do rei do baião, que, antes de subir ao trono, era conhecido também como grande instrumentista de choro. A árvore gonzagueana gerou ainda outros frutos, que merecem a digna homenagem como sanfoneiros, como o caso de Dominguinhos e Sivuca.
Essa é a proposta do Show Marcelo Caldi Trio, estreado no Teatro SESI Itaperuna em novembro de 2011, e com shows marcados no ano que vem para a Sala Funarte Sidney Müller (fevereiro) e para o Teatro Furnas (agosto), entre outros.
O diferencial do espetáculo está na riqueza e diversidade dos arranjos musicais feitos por Marcelo Caldi, considerado um dos melhores instrumentistas de sua geração, além da potência de dois grandes músicos, Fábio Luna (bateria, percussão e flauta) e Nando Duarte (violão de 7). De forma compacta mas não minimalista, o trio demonstra uma sonoridade tipicamente popular e requintada, tendo a sanfona como carro-chefe. Os três já se reuniram para (Delira, 2008), indicado ao Prêmio de Música Brasileira na categoria instrumental.
O repertório apresenta alguns choros famosos de Gonzaga gravados na década de 1940, antes dele ser reconhecido não ficam de fora.
Enveredando pelo dançante forró instrumental, Marcelo Caldi toca mostra símbolos da cultura nordestina, como chapéus de couro, balões de São João e estandartes. sanfoneiro brasileiro. O encontro com o mestre me fez mergulhar no imenso manancial da música brasileira com sotaque nordestino, o que para mim foi uma descoberta, já que venho de uma aprendizagem autodidata no instrumento ícone da cultura popular. 

Rio Música para crianças


Leonardo Fuks
Dia 1/4 - Domingo - 11h

Gratuito 

A oficina mostrará de maneira panorâmica e lúdica as possibilidades de construção e de utilização de instrumentos feitos a partir de materiais e objetos do dia-a-dia.

Os instrumentos focalizados serão aqueles que reproduzem da melhor maneira possível os sons e o funcionamento dos instrumentos convencionais, sobretudo de sopro e de percussão, mesmo que com um custo muito baixo e grande simplicidade: oboé, saxofone, clarineta, flauta transversa, fagote, trompa, trombone, trompete, litofone, e diversos outros serão construídos e provados pelo público.

Faça inscrições das crianças pelo e-mail: contato.cmrmc@gmail.com

Rio Novas Bandas


Feijão Coletivo  
Dia 1/4 - Domingo - 18h
O Feijão Coletivo nasceu de uma união.
União de bandas, de músicos, de amigos.
Levando uma mistura natural de diferentes influências da música negra mundial.
Um pouco de samba, de afrobeat, de afoxé, de reggae, de dub, de salsa.
Tudo que mexe. Tudo groove!
Essa mistura vem por conta da história de cada músico integrante da banda, cada um vindo de uma parte do Brasil.
O Feijão Coletivo começou no bairro de Santa Teresa e em pouco tempo já andou desbravando por várias casas e festas do Rio de Janeiro. Por duas vezes tocou na badalada festa Soul de Santa.

Inicialmente o coletivo foi formado por três bandas. Udi, A Irmandade e Partido Leve. Somados a integrantes da Abayomy Afrobeat Orquestra e MPP (Ribeirão Preto-SP) Essa coletividade toda gera um grande repertório. A banda apresenta músicas dos seus projetos autorais somadas a algumas versões de suas principais influencias. Manu Chao, Mundo Livre S/A, Fela Kuti, Jorge Benjor, dentre tantos.
Além de gerar também diversas participações especiais. Karla da Silva, Iara Rennó, João Bernardo (Banda Dinda), Valmir Ribeiro (Farofa Carioca), Orquestra Voadora, André Sampaio (Ponto de Equilíbrio), Mohandas, são alguns dos parceiros.

O show FEIJÃO COLETIVO RACIONAL é uma homenagem da banda ao disco 'Tim Maia Racional Vol. 1 e 2'. Um disco que o próprio Tim Maia renegou e só foi escutado pelo grande público depois de sua morte. As músicas ganharam versões Feijão, ou seja, um pouco mais afrobeat.

O Feijão Coletivo é pra todos!
Música de mexer, de dançar!
Feijão Coletivo são: Udi Fagundes (voz e guitarra), Miguel Jorge (voz e controlador midi), João Carvalho (guitarra), Marcelo Ceará (voz, violão e cavaquinho), Diego China (baixo), Rodrigo La Rosa (percussão) e Maurício Calmon (bateria)

segunda-feira, 19 de março de 2012

Rio Música



PROGRAMA DE REATIVAÇÃO DO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MÚSICA CARIOCA


Iniciado no dia 21 de janeiro, no Centro de Referência da Música Carioca, o programa Rio Música, de ações que focalizam os diversos aspectos da música praticada no Rio de Janeiro através dos tempos.

O programa tem diversas ações do Rio Música, que culminarão em abril com a primeira exposição sobre a música carioca de todos os tempos.

A partir do dia 22 de janeiro, o Rio Música tem apresenta regularmente espetáculos e ações educacionais:

Rio Música Clássica – concertos comentados  –  quintas às 19h30;
Rio Jazz – espetáculos de música instrumental e vocal  –  sextas às 19h30;
Rio Ritmos – shows de samba, choro, bossa nova – sábados às 19h30;
Rio Música para crianças – ações educacionais para crianças aos domingos, às 11h;
(Inscrições do Rio Música para crianças pode está sendo feita pelo e-mail: contato.cmrmc@gmail.com)
Rio Novas Bandas – bandas espetáculos voltados ao público jovem – domingos, às 18h.


SEGUE ABAIXO A PROGRAMAÇÃO DA SEMANA:

Rio Música Clássica


Ruth Serrão (piano) e Laura Ronai (flauta)
Dia 22/3 - Quinta-feira - 19h30



Ruth Serrão (piano) e Laura Ronai (flauta) celebram os 130 anos do Clube Beethoven
Obras de: Bach, Villa-Lobos, Fauré, Debussy

Laura Rónai, flauta

Começou seus estudos de flauta com os professores Lenir Siqueira, Celso Woltzenlogel e David Evans, e de música de câmara com o professor Luís Senise. Formou-se em Licenciatura em Música pela Uni-RIO, em 1976.
Em 1978 recebeu bolsa da Fundação Helena Rubinstein e do governo norte-americano para freqüentar a State University of New York (College at Purchase), onde estudou com Robert Levin, Steve Lubin e Myron Fink, entre outros. Iniciou, em 1982, o curso de mestrado na City University of New York (Hunter College), graças a uma bolsa concedida pelo CNPq para pesquisa em ornamentação e técnicas de execução do período barroco. Especializou-se em flauta transversal barroca sob a orientação de Sandra Miller. Ao se diplomar, em 1984, recebeu o prêmio Rosa Riegelmann Heinz, outorgado ao melhor aluno formado naquele ano.
Desde que voltou ao Brasil, tem se dedicado ao ensino e à divulgação de seu instrumento, através de recitais, concertos, palestras e cursos. Se apresentou durante 17 anos em duo com Marcelo Fagerlande, além de tocar também com a soprano Carol McDavit e com a cravista Rosana Lanzelotte, com quem gravou o disco "Settecento".
Em janeiro de 1995 Laura Rónai gravou, com Marcelo Fagerlande, um disco de música barroca, comemorativo dos 15 anos de trabalho conjunto do duo. O lançamento deste CD foi saudado com entusiasmo incomum pela crítica especializada, tendo sido eleito como o melhor lançamento clássico daquele ano.
Chamada regularmente a ensinar nos principais encontros de música antiga do país, Laura ministrou, em 1991, um curso de flauta barroca no Real Conservatório Superior de Madrid. No mesmo ano visitou a Inglaterra, a convite do British Council, e tocou recitais na Hungria e em Portugal.
O nome de Laura tem sido freqüentemente citado na lista dos melhores músicos da temporada, elaborada anualmente pelo Jornal do Brasil. Atualmente leciona flauta na UNIRIO como Professora Adjunta de Flauta, cargo obtido por concurso em 1996. Desde 1994 é também secretária-tesoureira da ABRAF (Associação Brasileira de Flautistas).
Laura esteve também diretamente envolvida com a organização e realização do 1o e do 2o Festival Internacional de Flautistas, que ocorreram em setembro de 1995 e de 1997, respectivamente. Em 1998 foi responsável pela direção musical da série Encontros de flautas, no Centro Cultural Banco do Brasil.
Atualmente Laura se apresenta em duo com a cravista Sula Kossatz e com a pianista Ruth Serrão. Em 1999 participou como convidada do Boston Early Music Festival.
Desde 1998 tem se apresentado com o grupo norte-americano Triomphe de l’Amour, com o qual gravou dois CDs (Música de Câmara de Boismortier) .

Ruth Serrão, piano

Natural de Niterói, RJ, a pianista Ruth Serrão estudou no Brasil, na França e nos Estados Unidos. No Brasil, conquistou o primeiro prêmio no Concurso para Solistas da Orquestra Sinfônica Brasileira, bem como numerosos prêmios em concursos nacionais.
Sua carreira, bem diversificada, inclui participação em bancas de júri e em festivais. Vem realizando, com sucesso, cursos e aulas públicas para professores e pianistas, tanto no Brasil como no exterior. Sua experiência pedagógica, a nível universitário, desenvolveu-se nos Estados Unidos, integrando mais tarde o corpo docente da UNIRIO.
No Brasil e no exterior, suas atividades de pesquisa e divulgação da música brasileira – através de artigos, gravações, palestras e concertos – vêm merecendo elogios do público e da crítica especializada. Diversos compositores, como Guerra-Peixe, Guilherme Bauer, Maria Helena Rosas Fernandes e Antônio Guerreiro, entre outros, dedicaram obras à pianista Ruth Serrão, responsável por inúmeras estréias mundiais de música latino-americana.
Como recitalista vem cumprindo intenso programa de apresentações, já tendo atuado na Itália, França, Inglaterra, Estados Unidos e Brasil, e em salas de concerto, rádio e televisão.
Como solista de orquestra, participou da homenagem ao maestro Guerra-Peixe, sob a regência do compositor, assim como das comemorações do centenário de Villa-Lobos, em Brasília (OSN) e em São Paulo (OSESP). Apresentou-se no Memorial da América Latina (São Paulo) com a OSESP por ocasião do bicentenário de Mozart e do 1O Festival Panamericano de Música Contemporânea na estréia mundial das Variações Rítmicas para Piano e Orquestra de Guilherme Bauer, peça dedicada à Ruth Serrão.
Seu trabalho de pesquisa sobre a música brasileira, resultou na descoberta de três manuscritos inéditos do Padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830): 3 Matinas de Quarta-feira Maior, assim como a gravação e a edição didática de sua obra completa para piano.
Entre as gravações mais recentes podemos citar sua participação nos CDs Fraterno, com obras de Ernani Aguiar e Dawid Korenchendler, lançado pela Academia Brasileira de Música, e Guerra-Peixe – Música de Câmera, pelo selo RioArte.
Em 2009, deverá gravar 2 CDs com Música para Piano de Cesar Guerra-Peixe: um projeto patrocinado pela Petrobrás.
Clube Beethoven – 130 anos

Preparava-se o Rio para comemorar o Carnaval de 1882 quando, numa quinta feira, 4 de fevereiro, o Clube Beethoven inaugura suas atividades com um sarau musical em sua sede à rua do Catete 102, fazendo ouvir na ocasião obras de Wagner, Rubinstein, Tartini, Weber e, do patrono do Clube, Beethoven, o Quarteto op. 18 no 4.

O Clube Beethoven gozava de grande prestigio na cidade. Seus concertos quinzenais, sempre bastante frequentados, eram noticiados e comentados pela imprensa como o acontecimento da semana, muitas vezes honrado com a presença do Imperador D. Pedro II.

A divulgação de forma sistemática do repertório camerístico constitui a principal contribuição do Clube Beethoven à nossa cultura musical, familiarizando o publico com um gênero até então pouco conhecido, já que eram frequentes as audições de obras de câmara de Mozart, Haydn, Mendelssohn, Schubert, Schumann, Weber, Chopin e outros.

Rio Jazz

Suzano Duo
Dia 23/3 - Sexta-feira - 19h30

Suzano Duo é formado por Marcos Suzano (pandeiro e percussão) e Alex Meirelles (Teclado), que apresentam suas composições instrumentais numa mistura eletrônica e percussiva. 

Rio Ritmos

Arranco de Varsóvia 
Dia 24/3 - Sábado - 19h30
Nesse sábado, 24 de março, no Centro de Referência da Musica Carioca, estará o Arranco de Varsóvia dando mais uma mostra das muitas vertentes de samba que compõe seu histórico repertório. Para esse show o Arranco preparou os melhores momentos do seu primeiro CD/DVD, “Pãozinho de Açúcar”, dedicado à obra fulgurante de Martinho da Vila, além de dar uma boa mostra das novas canções que estarão no próximo CD, que está sendo preparado.
Com sua formação remodelada com três damas (Cacala, Elisa e Andrea) e apenas um valete (Malaguti Pauleira), além do mestre Martinho da Vila, teremos boas novidades de gente como Danilo Caymmi, Claudio Nucci, Valmir Vignolli, Malaguti Pauleira entre outros para alegria do mundo do samba e júbilo da música vocal carioca.

Rio Música para crianças




Leonardo Fuks 
Dia 18/3 - Domingo - 11h
Gratuito 
A oficina mostrará de maneira panorâmica e lúdica as possibilidades de construção e de utilização de instrumentos feitos a partir de materiais e objetos do dia-a-dia.

Os instrumentos focalizados serão aqueles que reproduzem da melhor maneira possível os sons e o funcionamento dos instrumentos convencionais, sobretudo de sopro e de percussão, mesmo que com um custo muito baixo e grande simplicidade: oboé, saxofone, clarineta, flauta transversa, fagote, trompa, trombone, trompete, litofone, e diversos outros serão construídos e provados pelo público.


Faça inscrições das crianças pelo e-mail: contato.cmrmc@gmail.com

Rio Novas Bandas

Consciência Tranquila
Dia 25/3 - Domingo - 18H

Da união de diversos estilos musicais ao rap, surge o Consciência Tranquila. 
Com muita atitude e melodia, a sonoridade da banda é composta por Antonio Consciência e Sami Brasil nos vocais rappers, Fabio Carrão no beat Box , Allan Camargo e Isabel Almeida nos vocais, Brenda Sayuri e Igor de Mello nas guitarras, 2P no baixo, e Daniel Mendes na bateria. A musicalidade da banda é algo diferente do encontrado no mercado fonográfico, cada integrante vem de uma vertente diferente da música, e, de diferentes etnias, tornando essa mistura agradável a todos que já viram esta banda em cena. A banda Consciência Tranquila traz na sua música a cara do Brasil, com muita originalidade, fazendo uma mistura de sons que tem origem na miscigenação brasileira.
Representando a cultura hip hop, a banda inova, trazendo uma nova tendência, com apelos melódicos, e beat box, mas mantendo o ideal de passar mensagens positivas e informação em suas letras, fortalecendo a identidade nacional desse estilo.
Desde 2002, a banda vem se destacando e ocupando o seu espaço no cenário da música carioca, gravou seu Ep com cinco músicas, do álbum “Coisa de Doido” nos estúdios da SOM LIVRE, com produção de PAULO JEVEAUX, ícone em produção musical, que escolheu a banda pela inovação do som que traz para o mercado, letras contundentes com instrumental arrojado, saindo da linha de bases usadas no rap, e se utilizando riffs, grooves, batidas marcantes, beat box e elementos do rock, black music e ritmos brasileiros, algo muito original no meio. Esse EP rendeu à banda o apoio da marca Jonny Size, além da participação em programas de Tv e rádio de grande expressão, colocando-a no mesmo nível de artistas de gravadora, apesar de ser uma banda independente.
Em seus nove anos de estrada a banda Consciência Tranquila vêm tendo uma trajetória vitoriosa, destacando-se em tudo o que participa:
  • Patrocinada pelo Ministério da Cultura, para representar o Brasil no exterior (1º lugar, em música, na premiação do PRONAC - edital 3/2010 ), se apresentou em Córdoba, e já se prepara para novas apresentações fora do Brasil;
  • Participou como atração do evento de comemoração de um ano do grande projeto das UPP’s, em Outubro/2011, nas comunidades carentes do Rio de Janeiro;
  • Foi uma das atrações da primeira temporada do Programa Aglomerado da TV Brasil, apresentado por MV Bill e Nega Gizza, exibido em Setembro/2011, no mesmo quadro onde também participaram artistas renomados como Sandra de Sá, Paralamas do Sucesso, entre outros.
  • Vencedores do Festival Demo Sul, patrocinado pela Caixa, Petrobrás, Governo Federal, Secretaria de Cultura de Londrina e Coletivo Fora do Eixo;
  • Vencedora do Festival RPB, promovido pela CUFA, e Rede Globo, no Rio, e também em Fortaleza na etapa nacional do Festival, viagem apoiada pela Prefeitura do Rio. Sua música de trabalho “Coisa de Doido” venceu como melhor música, tocando na programação da Beat 98 FM, onde fizeram uma entrevista ao vivo em horário nobre;
  • A música de trabalho “Coisa de Doido” está sendo executada na rádio FM O DIA, a rádio mais ouvida do Rio de Janeiro;
  • A banda é apoiada pela marca de roupas e acessórios Jonny Size (marca do Falcão do Rappa) http://www.jonnysize.com.br/2010/ , e pela marca de calçados Super Star http://www.superstarcalcados.com.br/ ;
  • Turnê em São Paulo, Bauru, e Londrina foi um sucesso de público e aceitação;
  • A banda está envolvida com projetos sociais e já se apresentou em diversas comunidades carentes do Rio de Janeiro como Complexo do Alemão, Santa Marta, Salgueiro, Tavares Bastos e Rocinha;
  • Os rapers e o beat Box são oficineiros da Oficina Didática Urbana no projeto CCBB na Orla;
  • Recebeu o Prêmio GRC Music 2010 da Record, como banda Revelação;
  • A banda vem à frente de alguns projetos como: "Rima na sala de Aula" (Teatro Ziembinsky - Prefeitura do Rio), onde jovens de escolas públicas têm a oportunidade de ir ao teatro e assistir um show musical com informação e o "Rapinova" (Editora Multifoco), projeto que dá espaço para artistas das rodas culturais do Rio de Janeiro e "Revolusom" (Teatro Odisséia), que reúne músicos de todos os estilos, de todo Brasil e exterior em um s
  • Selecionada para o festival REPPER BAHN em Hamburgo, na Alemanha (de 22 a 24 de Setembro) http://www.reeperbahnfestival.com/
  • Em sua trajetória, já teve participações de grandes músicos como Ademir Gomes (saxofonista do Chico Buarque, Black Rio e Sandra de Sá) e Robertinho Silva (baterista do Milton Nascimento);

segunda-feira, 12 de março de 2012

Rio Música Clássica


Quarteto Radamés
Dia 15/3 - Quinta-feira - 19h30


Lançamento do DVD Villa-Lobos

Quarteto Radamés é um quarteto de cordas:

Carla Rincón, Violino I
Andréia Carizzi, Violino II
Fernando Thebaldi, Viola
Hugo Pilger, Violoncelo

Reconhecido como o melhor conjunto de câmara do Brasil pelo XIII Prêmio Carlos Gomes, o Quarteto Radamés Gnattali se consolida como o ensemble de cordas de "uma sonoridade de perfeito equilíbrio e fraseado impecável.” (JB On-line).

A conquista desse renomado prêmio parte das performances em palcos brasileiros, americanos, europeus e africanos, levando a mais refinada interpretação da música de câmara brasileira.

Após a primeira e única interpretação até o momento, no Brasil e na América do Sul, de toda a obra para quarteto de cordas de Heitor Villa-Lobos, durante Festival Villa-Lobos de 2009, no Rio de Janeiro, o quarteto desponta como o primeiro no mundo a gravar, em DVD e Blu-Ray, dos 17 quartetos com lançamento para março de 2012, quando o mundo celebra os 125 anos de nascimento do maior compositor das Américas: Villa-Lobos.

Ainda em 2011, o conjunto lança em novembro o CD "As 4 Estações Cariocas" com participação do violonista José Paulo Becker com obras exclusivamente escritas para o quarteto e em dezembro o ensemble também lança o CD de quartetos compostos especialmente para o quarteto pelo renomado grupo de compositores contemporâneos brasileiros o “Prelúdio XXI”.

O “Radamés” também parte em novas viagens de Concertos Didáticos para diversos estados do Brasil. Essa série de concertos nasceu em 2007, com a missão de resgatar as canções infantis do folclore brasileiro, apresentando espetáculos baseados no Guia Prático de Villa-Lobos em escolas da rede pública. Esse ano completa 10.000 espectadores e mais de 5.000km percorridos.

Em apresentações no Rio de Janeiro, onde está sediado, o quarteto construiu uma relação de intimidade com o público, participando de festivais de música de câmara como a Bienal de Música Contemporânea da Funarte, MIMO, Festival Villa-Lobos e Caixa Cultural, dentre outros.

O conjunto também realizou, a convite da Universidade Estadual da California-Stanislaus, uma turnê de concertos e workshops pelos EUA em 2007, focada essencialmente na música brasileira. Estes projetos prepararam o cenário para a gravação do CD “Quadro Brasil”, um mergulho na produção de Camargo Guarnieri, Gnattali, Cláudio Santoro e Villa-Lobos, que foi muito elogiado pela crítica.

Esta energia deriva do talento e da personalidade de instrumentistas que enxergam na música uma linguagem livre de fronteiras etárias e sociais.


Rio Jazz



Carlos Malta
Dia 16/3 - Sexta-feira - 19h30

PIMENTA

O cometa Elis Regina ,além de tudo o que se disse até hoje, sobre o seu canto e sua voz , traz em sua  cauda , a poeira cósmica de sua influência  na formação de uma nova geração de artistas . Nos anos 70 o personagem musical Elis Regina , assinou a contracapa de um disco de Victor Assis Brasil , selando assim uma ligação  com o saxofone e com os saxofonistas .Ao ler este texto ,Carlos Malta então com 15 anos , encheu-se de entusiasmo e  decidiu-se pela carreira de músico.   Esta foi a semente do projeto PIMENTA , um tributo à Elis , uma de suas maiores fontes de inspiração.
No show  PIMENTA , Malta realiza  uma releitura lúdica , poética ,jazzística e mágica para  o repertório gravado e eternizado pelo canto de  Elis Regina,  tendo lançado um CD em 2000 e indicado pela revista Jazz Times americana, como o melhor lançamento do ano .
      Entre Fevereiro e Abril de 2005, Carlos Malta a convite do Conservatório Real da Dinamarca, ministrou curso de dois meses e criou com os alunos, formações em duos, trios e quartetos ,  difundindo ainda mais este repertório  , calcado no  bom gosto musical da eterna Elis.
Já tendo se apresentado  em Mogale City /África do Sul(2003) com público em praça pública de 5000 pessoas,  Mambhato /África do Sul(2004), New Orleans/E.U.A (2000, 2001, 2002, 2003 e 2005) além de festivais em todo o Brasil , Malta vem difundindo a música do Brasil ao redor do planeta .
Para o show,  Malta estará acompanhado de Andre Siqueira (guitarra), Augusto Mattoso (baixo acústico  ) e Kesso Fernandes ( bateria) levando para o palco toda a emoção e  beleza do repertório mais que brasileiro, com pitadas de pimenta do jazz.
Algumas críticas do CD Pimenta:
- Indicado pela revista Jazz Times como melhor CD do ano 2000.
-   “Um trabalho digno dos grandes ourives” . (Tárik de Souza) JB/Clique Music
-  "Este é um disco de música brasileira. È ao mesmo tempo, um dos mais jazzísticos      assinados por um músico brasileiro" .( Ayrton Martini ) Folha de Campinas
-   "Carlos Malta é um dos melhores músicos que já ouvi na vida, PIMENTA  soa  como um movimento virtuosístico de uma grande sinfonia popular". ( Ricardo Cravo Albin  ) crítico de música – O Dia.

Rio Ritmos


Guinga
Dia 17/3 - Sábado - 19h30


Noturno Copacabana
Guinga, o afilhado da Zona Sul carioca
(Adriana Sanglard e Flávia Souza Lima)

Considerado pela crítica "a maior revelação musical da década de 90", "o mais importante herdeiro da brasilidade de Villa-Lobos", entre uma vasta coleção de títulos sublimes, Guinga tem hoje, em sua própria legião de admiradores e entusiastas, artistas do quilate de Paco de Lucia, Michel Legrand, Sérgio Mendes, Ed Motta, Lenine, Ivan Lins e Leila Pinheiro. Além disso, o músico vem conquistando o público norte-americano, dinamarquês, espanhol e italiano.

Noturno Copacabana conta com a participação de três ótimas cantoras. A já citada Leila - uma das maiores incentivadoras do compositor, que além do álbum dedicado às suas parcerias com Aldir Blanc, Catavento e Girassol, de 1996, gravou outra dezena canções dele -, Fátima Guedes, que desde 1993 grava Guinga e Aldir em seus discos, e a cantora paulistana Ana Luiza, que o anfitrião apresenta para o seu público. O restante das canções, fora quatro faixas instrumentais, são interpretadas pelo próprio Guinga, que vem perdendo a timidez para o canto, como se vê em Senhorinha.

Simone Guimarães letrou o maracatu Desavença e o baião Pra Jackson e Almira, escrito a partir do acróstico "Para Jackson e Almira esta homenagem", além do lundu Rasgando Seda, cuja letra homenageia Guinga ("tu és o anjo novo da canção"). O pianista Luís Felipe Gama é também profícuo letrista, basta conferir em Silêncio de Iara). Mauro Aguiar deixa a pena correr solta na divertida Concubinato (que traz Guinga e Fatima Guedes em hilária dobradinha), é destacado ainda na pungente Canção Desnecessária. Aldir Blanc, mestre, mostra a categoria habitual em Abluesado e Paulo Cesar Pinheiro paira emocionante em Senhorinha e Fonte Abandonada, dificílima valsa que depois de engavetada por 20 anos, ganha o reforço do Quarteto de violões Maogani e os vocais de Leila Pinheiro.
Não bastasse, Noturno Copacabana traz ainda primoroso escrete de sopros. Já em Garoa e Maresia, tema instrumental que descortina o CD, estão Carlos Malta (flautas), Paulo Sérgio Santos (clarinetes) e Jessé Sadoc (flugelhorn) - além das cordas cruzadas de Guinga (violão), Lula Galvão (guitarra) e Jorge Helder (baixo). Os sopros também dão o tom de Abluesado, com o trombone de Sérgio de Jesus mais sax e clarinete de Paulo Sérgio Santos. Nailor Proveta (sax alto) sobre a cama de cordas realça Depois do Sonho, parceria de Guinga e Luis Felipe Gama, o mesmo de O Silêncio de Iara, que traz a cantora Ana Luiza. Na faixa título, é o trompete de Jessé Sadoc que rasga a noite de Copacabana. Ainda nos sopros, há os de Marcelo Martins, Flávio Melo, Nelson Oliveira, Andréa Ernest Dias e Bocão inflando o disco.

"Um disco é acima de tudo uma maneira de eternizar o artista, de guardar sua essência. Meu trabalho reflete o que sou: não vim ao mundo como turista existencial", sintetiza Guinga. Para os afortunados ouvintes, trata-se de uma oportunidade imperdível de apreciar as belas valsas, modinhas, choros, blues e lundus presentes no universo musical do virtuoso compositor carioca.

Rio Música para crianças



Leonardo Fuks e Niágara Cruz
Dia 18/3 - Domingo - 11h
Gratuito 
A oficina mostrará de maneira panorâmica e lúdica as possibilidades de construção e de utilização de instrumentos feitos a partir de materiais e objetos do dia-a-dia.

Os instrumentos focalizados serão aqueles que reproduzem da melhor maneira possível os sons e o funcionamento dos instrumentos convencionais, sobretudo de sopro e de percussão, mesmo que com um custo muito baixo e grande simplicidade: oboé, saxofone, clarineta, flauta transversa, fagote, trompa, trombone, trompete, litofone, e diversos outros serão construídos e provados pelo público.


Faça inscrições das crianças pelo e-mail: contato.cmrmc@gmail.com

Rio Música Jovem




Turmalina
Dia 18/3 - Domingo - 18h

Turmalina (Paraíba) é uma pedra rara, de incomparável beleza, só encontrada em parte do Brasil e da África e que já emprestou seu nome para uma série de concertos de piano no Teatro Municipal além de técnicas de alisamento de cabelo em salões de beleza suburbanos.

Turmalina agora empresta seu nome a essa nova banda que é carioca por nascimento, mas cosmopolita por vocação. Pois engloba elementos de regiões do Brasil e de muitas outras partes do mundo, com a naturalidade de quem recebe e aprecia todas essas informações e se apropria delas em suas criações, sem medo de rótulos e sem soberba, apenas buscando satisfação estética e criativa.

A banda é o resultado do encontro de músicos que já se conhecem, tocaram juntos em outras bandas e se admiram mutuamente há muito tempo.

Os integrantes são:

César Pintoni – Guitarra, bandolim e ukulele (ex-Manacá)
Rodrigo Ramalho – Sanfona e teclados (Raiz do Sana, Toni Platão, Vixe)
Uirá Bueno – Bateria e percussão (ex-El Efecto, atual Laranja Dub)
Daniel Martins – Baixo, teclados e ukelele (ex- Lobão, ex-Benflos, atual Rockz)
Diogo Brandão – (ex-Rockz e ex-Benflos)

Até o momento, a Turmalina gravou um disco demo com quatro canções que estão disponíveis em:

...mantendo uma média de mais de 1.000 acessos por mês, antes mesmo do primeiro show da banda.

A gravação do primeiro disco completo está prevista para o primeiro semestre de 2011 pelo selo Multifoco.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Rio Música

PROGRAMA DE REATIVAÇÃO DO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MÚSICA CARIOCA

Iniciado no dia 21 de janeiro, no Centro de Referência da Música Carioca, o programa Rio Música, de ações que focalizam os diversos aspectos da música praticada no Rio de Janeiro através dos tempos.

O programa tem diversas ações do Rio Música, que culminarão em abril com a primeira exposição sobre a música carioca de todos os tempos.

A partir do dia 22 de janeiro, o Rio Música tem apresenta regularmente espetáculos e ações educacionais:

Rio Música Clássica – concertos comentados  –  quintas às 19h30;
Rio Jazz – espetáculos de música instrumental e vocal  –  sextas às 19h30;
Rio Ritmos – shows de samba, choro, bossa nova – sábados às 19h30;
Rio Música para crianças – ações educacionais para crianças aos domingos, às 11h;
(Inscrições do Rio Música para crianças pode está sendo feita pelo e-mail: contato.cmrmc@gmail.com)
Rio Música Jovem – bandas espetáculos voltados ao público jovem – domingos, às 18h.


SEGUE ABAIXO A PROGRAMAÇÃO DA SEMANA:

Rio Música Clássica


Cristina Braga
Dia 8/3 - Quinta-feira - 19h30


Cristina Braga comemora o dia internacional da mulher e 150 anos de Debussy
Obras de: Bach, Villa-Lobos, Fauré, Debussy

Ela iniciou seus estudos com Acácia Brazil no Rio de Janeiro, onde graduou-se com Medalha de Ouro pela UFRJ. Aperfeiçoou-se com Susan MacDonald em Indiana, USA. É primeira harpista da orquestra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e professora de harpa da Escola de Música da UFRJ . Tem quatorze discos gravados com diversas formações.
OBS.

Rio Jazz



Leila Maria
Dia 9/3 - Sexta-feira - 19h30

Dona de um timbre único, LEILA MARIA é uma das melhores cantoras brasileiras.
Isso é repetido em coro por diversos nomes consagrados e formadores de opinião como Lázaro Ramos, Ed Motta e Luiz Melodia, entre outros.
Inconfundível, seu canto nos faz lembrar as grandes damas da nossa canção e também as divas do Jazz: uma arrebatadora fusão de duas das mais poderosas escolas da música popular do mundo.

Seus trabalhos anteriores mobilizaram artistas como Paulo Moura, com quem trabalhou durante anos; Cristóvão Bastos, autor dos arranjos de seu primoroso álbum Off Key (produzido por José Milton para o selo Aplauso/ Rob Digital), no qual ele também gravou todos os pianos; e Ed Motta, que a convidou para um dueto em seu álbum jazzístico Dwitza (Universal).
Seu último CD, Canções do Amor de Iguais (2007) é o resultado de uma bem sucedida parceria com o jornalista Antonio Carlos Miguel (à época, crítico de música do jornal O Globo), autor do projeto realizado pela Deckdisc.
Em julho de 2011, pode realizar um antigo sonho quando, a convite da Secretaria de Cultura do Município, dividiu o palco com Luiz Melodia no Teatro Carlos Gomes dentro do Projeto “7 em Ponto!”, sucesso de público e crítica.
Como compositora, registrou sete de suas canções no CD de estreia, Vom Kopf Bis Fuss (Da Cabeça aos Pés), de 1997 e teve uma de suas canções gravada pelo grupo Bambú, liderado pela harpista Cristina Braga.
Em pleno período de criação, preparando novo trabalho, comemora apresentação que dividiu o palco com Luiz Melodia, no Projeto 7 em Ponto(Secretaria de Cultura/RJ)e a nova possibilidade;“Minha admiração pelo Luiz vem desde quando o vi pela primeira vez no Festival Abertura cantando “Ébano”. Sua figura, sua voz, sua música me causaram um grande impacto. Essa admiração só fez crescer com o tempo e agora, afinal, tive a chance de dividir o palco com ele.”
Leila será acompanhada por Rodrigo Braga com quem dividi a produção do novo cd que será lançado em breve pela Editora Multifoco.

Rio Ritmos


Elisa Addor
Dia 10/3 - Sábado - 19h30

Nome artístico de Elisa Bondim Addor, cantora que vem se destacando pela voz de timbre doce e suave com afinação precisa e interpretação viva e original. Elisa, com o conjunto Cana de Litro, venceu no ano de 2006, o primeiro concurso: Jovens Bambas do Velho Samba realizado pela tradicional Casa de samba Carioca da Gema, e faz parte do quadro fixo da casa, desde então. Elisa também comanda a roda de samba do Bar Semente, outra tradicional casa de samba da Lapa e do Rio de Janeiro.
Elisa já se apresentou em todas as casas de samba e música da Lapa e adjacências: Carioca da Gema, Rios Scenarium, Estrela da Lapa, Sacrilério, Centro Cultural Carioca, Fundição Progresso, Casa Rosa, Bom Sujeito, Clube dos Democráticos, Mofo. No primeiro dia de 2008 foi apontada pelo crítico musical do jornal O Globo, João Pimentel, como uma das melhores cantoras da atualidade.
Seu repertório vem sendo formado por músicas de renomados compositores brasileiros como: Chico Buarque, Caetano Veloso, Paulinho da Viola, Elton Medeiros, Gilberto Gil, Cartola, Nelson Cavaquinho, Dorival Caymmi, Paulo Cesar Pinheiro, entre outros. Ela também canta músicas de novos compositores como Edu krieger, Rodrigo Maranhão, Pedro Holanda, Alfredo Del Penho e Rafael dos Santos.

Algumas músicas: Nasci pra sonhar e cantar (Dona Ivone Lara), Homenagem ao Malandro (Chico Buarque), Ame (Paulinho da Viola e Elton Medeiros), Janaína Minha e Vatapá (Dorival Caymmi), Nenhuma lágrima (Elisa Addor), Mangueira (Rafael dos Santos), entre muitas outras.
Participou dos cds Cantoras da Lapa e do grupo Passagem de Nível. Também gravou coro nos cds e dvds do programa de rádio Samba Social Club, no cd de Délcio Carvalho, no cd de Moyséis Marques e nos dois cds do grupo Casuarina. Elisa acaba de lançar seu primeiro cd, com direção musical de Eduardo Krieger, onde faz releituras e apresenta canções inéditas. Próximo show de lançamento 22 de setembro de 2011, no Sérgio Porto, as 19h30, humaitá.

Rio Música para crianças



Leonardo Fuks
Dia 11/3 - Domingo - 11h
Gratuito 
A oficina mostrará de maneira panorâmica e lúdica as possibilidades de construção e de utilização de instrumentos feitos a partir de materiais e objetos do dia-a-dia.

Os instrumentos focalizados serão aqueles que reproduzem da melhor maneira possível os sons e o funcionamento dos instrumentos convencionais, sobretudo de sopro e de percussão, mesmo que com um custo muito baixo e grande simplicidade: oboé, saxofone, clarineta, flauta transversa, fagote, trompa, trombone, trompete, litofone, e diversos outros serão construídos e provados pelo público.


Faça inscrições das crianças pelo e-mail: contato.cmrmc@gmail.com

Rio Música Jovem


Lá e cá
Dia 11/3 - Domingo - 18h

Grupo formado em 2009 no Rio de Janeiro com influências de Elomar Figueira de Mello, Cordel do Fogo Encantado, Milton Nascimento, afro-sambas, Edu Lobo, música armorial, ritmos nordestinos e afro-brasileiros, dentre outros. Nos inscrevemos na linhagem de artistas que trabalham de forma híbrida com elementos da chamada música folclórica brasileira, adicionando a estes, influências dos mais diversos estilos. Procuramos, no entanto, criar uma sonoridade mais “orgânica”, mais próxima da acústica, com a possibilidade de adição discreta de recursos eletrônicos, distorção e afins.

Nosso repertório se divide entre canções e músicas instrumentais. Investimos em um trabalho prioritariamente autoral, mas contamos com algumas releituras de obras de outros compositores, tais como Quinteto Armorial, Banda de Pau e Corda e conjunto Sa Grama.